quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Tag da patinação

Vi algumas pessoas no Twitter respondendo uma tag sobre a nova temporada de patinação e resolvi responder também, acrescentando algumas perguntas que acho interessantes.

Shoma

- Patinador favorito (em geral)
Shoma Uno!!!

- Homem sênior
Shoma Uno

- Mulher sênior
Satoko Miyahara

- Par sênior
Sui/Han (mas gosto bastante de Savchenko/Massot também)

- Dupla de dança sênior
Virtue/Moir, Papadakis/Cizeron e Gilles/Poirier (depende bastante do programa)

Anastasiia

- Homem júnior
Donovan Carillo

- Mulher júnior
Anastasiia Gubanova

- Par júnior
Não assisto o suficiente para ter um favorito. :(

- Dupla de dança júnior
Também não assisto o suficiente. :(

Pechalat/Bourzat

- Homem aposentado favorito
The one and only Daisuke Takahashi!

- Mulher aposentada favorita
Sasha Cohen

- Par aposentado favorito
Shen/Zhao? Não costumava acompanhar muito os pares

- Dupla de dança aposentada favorita
Pechalat/Bourzat

Top 6 masculino

- Disciplina favorita
Homens, dança, mulheres, pares, nessa ordem (mas na temporada passada eu gostei mais dos pares do que esperado e menos da dança)

- Pódio dos sonhos no masculino
Yuzuru, Shoma, Patrick (ou Misha, né, é um pódio dos sonhos)

- Pódio dos sonhos no feminino
Satoko, Wakaba, Zijun. Hahaha, qual é a chance disso acontecer?

- Pódio dos sonhos nos pares
Sui/Han, Savchenko/Massot, Peng/Jin (ou Stolbova/Klimov. Ou James/Cipres).

- Pódio dos sonhos na dança
Virtue/Moir, Papadakis/Cizeron, Gilles/Poirier, mas depende muito dos programas.

- Pódio dos sonhos na competição por equipes
Canadá, Japão, China (desses, só o Canadá tem chance).

Evgenia, Anna e Ashley no mundial de 2016

- Mulheres para a equipe olímpica russa (3)
Não tenho grandes preferências, mas eu escolheria Evgenia Medvedeva (seria triste ela dominar tudo durante duas temporadas e flopar bem na temporada olímpica), Anna Pogorilaya (muitos altos e baixos, gostaria que ela tivesse uma boa experiência olímpica) e... não sei, não tenho outras favoritas.

- Mulheres para a equipe olímpica japonesa (2)
Satoko e Wakaba, por favor! Gosto das outras patinadoras, mas as que citei são duas das minhas favoritas atualmente.

- Mulheres para a equipe olímpica americana (3)
Ashley Wagner, Mirai Nagasu, Karen Chen

- Homens para a equipe olímpica americana (3)
Nathan Chen, Adam Rippon (ele canta a música do próprio programa, merece 10 de PCS!) e Jason Brown.

Gilles/Poirier

- Programa que você está mais empolgado para ver
O longo de Gilles/Poirier. Eles sempre são criativos (e às vezes estranhos) em suas escolhas, então estou curiosa para ver o que eles vão criar desta vez.

- Escolha musical que você menos gosta
Moulin Rouge. Depois de ver trocentos patinadores escolhendo a trilha sonora, até resolvi assistir ao filme para ver o que ele tem de especial e descobri que é um filme meio chato e que realmente não gosto das músicas.

- Warhorse favorito
Considerando apenas a música, Lago dos cisnes. Na patinação, Libertango e tangos em geral.

Han Yan

- Salto favorito
Triple axel

Sasha Cohen

- Spin favorito?
Layback

- Tanos ou rippons?
Rippons

- Rumba ou cha cha?
Cha cha. O padrão da rumba é meio sem graça.

- Zagitova ou Medvedeva?
Medvedeva, mesmo não gostando muito dos programas dela.

- Que patinadores/países que ainda não tem vaga você quer ver nas Olimpíadas?
Para citar um em cada categoria: Isadora Williams (Brasil!), Julian Yee (Malásia), Ryom/Kim (Coreia do Norte), Coomes/Buckland (Inglaterra).

- Música que você gostaria que alguém patinasse
Trilha sonora de Migração Alada! Ou a Sinfonia Pastoral do Beethoven (para um programa de dança, talvez?). Não sei se essas músicas funcionariam como programa de patinação, mas seria legal ver alguém tentando. Meus ouvidos agradeceriam!

É isso! Agora é só assistir às competições, torcer, vibrar e sofrer!

YAY!

domingo, 10 de setembro de 2017

Randomicidades do mês: agosto/2017 (parte 2)

Continuando com as randomicidades do mês...

Animes / séries


Mozart in the Jungle - 3ª temporada
Essa série sobre o mundo da música clássica é tão delicinha de se assistir, terminei a temporada em pouquíssimo tempo. A temporada se inicia com os personagens em Veneza, onde o protagonista vai reger uma famosa e temperamental cantora de ópera. Embora eu tenha gostado da mudança de ares, fiquei feliz em ver todos os personagens voltando para Nova York para resolver os problemas da greve dos músicos da orquestra. Eu não estava super animada em assistir a temporada quando ela foi lançada, mas foi só começar o primeiro episódio que lembrei o quanto gosto da série.
Nota: 3,75


Paradise Kiss
Anime sobre uma estudante do ensino médio focada nos estudos que tem sua vida transformada ao conhecer um grupo de estudantes de moda que a convidam para ser a modelo deles. O encontro a faz reavaliar suas escolhas e a pensar mais no que quer do futuro, afinal, ela sempre fez tudo o que os pais esperavam dela. Gostei bastante do anime, que apresenta personagens e situações realistas, um visual interessante e música de encerramento do Franz Ferdinand!
Nota: 4


Yami Shibai
Anime curtinho de terror com histórias baseadas em lendas urbanas. Com poucos minutos por episódio, a série faz um bom trabalho ao criar uma atmosfera de terror. O estilo simples da animação, inspirado no kamishibai (teatro de papel, uma forma de contar histórias com rolos com imagens), apesar de simples, colabora para o clima misterioso. Como qualquer série episódica, alguns episódios são meio fracos, mas no geral gostei bastante.
Nota: 4


Gangsta.
Na cidade de Ergastulum, controlada por diferentes facções, Worick e Nicholas são mercenários que aceitam trabalhos variados, de fazer entregas a se livrar de pessoas indesejáveis. Ao eliminar um cafetão, eles tomam Alex, uma prostituta nova na cidade, sob sua proteção, e ela passa a ajudá-los no trabalho. O anime começa bastante promissor, juntando personagens interessantes e um belo visual, mas começa a desandar logo. O ritmo fica um tanto apressado, a qualidade da animação dá uma caída lá pela metade final e o anime termina sem concluir nada da história, na expectativa de uma segunda temporada que dificilmente virá.
Nota: 3,25

Comecei a ver: Tsurezure Children, WWW.Working!!, Sengoku Choujuu Giga: Kou

Filmes


The Silenced (Lee Hye-yeong, Hae-Yeong Lee)
Assisti a esse filme sem saber nada sobre ele, só porque a imagem e a sinopse na Netflix me chamaram a atenção. É interessante ver um filme sem saber o que esperar, sem nem mesmo saber o gênero direito. No final, ele foi uma surpresa positiva. Ambientado na Coreia dos anos 30, o filme é sobre uma menina enviada a um internato/sanatório. Frágil e pouco assertiva, ela não é muito bem recebida pelas colegas, com uma exceção. Porém, esse é o menor dos seus problemas, pois coisas estranhas começam a acontecer. Gostei de como o clime de suspense é construído, das protagonistas e das atuações. O final, meio corrido e exagerado, decepciona um pouco.
Nota: 3,5


Kiss & Cry (Sean Cisterna)
Como sou fã de patinação no gelo, não pude deixar de assistir a esse filme que 1) cita Yuzuru Hanyu! 2) tem cenas gravadas no Cricket Club, local onde alguns patinadores famosos treinam; 3) o técnico da protagonista supostamente é o Shin Amano, juiz conhecido por sua rigidez. Apesar de ser um filme sobre uma patinadora, ele é, antes de tudo, um filme de doença. Mesmo sabendo disso, eu esperava que ele mostrasse um pouquinho mais de patinação, mas não, o filme prefere mostrar como a protagonista é inspiradora ao lutar contra o câncer, o que poderia render um filme minimamente decente se ela não fosse uma pessoa tão chata. Me sinto um pouco mal por achá-la tão irritante, porque o filme é baseado em uma história real e a atriz que interpreta a protagonista era amiga dela, mas... ela é chata. E o filme é fraco.
Nota: 2,5


A garota húngara (Attila Szász)
Outro filme que vi sem saber nada sobre e que acabou se revelando melhor do que eu esperava. Na década de 1910, uma jovem começa a trabalhar como criada na casa de uma prostituta abastada. Ela logo cai nas graças da patroa, que passa a mimá-la, provocando a inveja da governanta, que no passado foi muito próxima da patroa. Gostei de como os relacionamentos entre as três personagens são construídos.
Nota: 3,5

Curtas


Crac! (Frederic Back)
O curta de animação acompanha a trajetória de uma cadeira de balanço desde sua criação, mostrando as mudanças ao seu redor durante os anos. O filme é uma graça, com traço simples e cores suaves que lembram ilustrações de livros infantis.
Nota: 3,5


Inaka Isha (Koji Yamamura)
Adaptação do conto "Um médico rural" de Franz Kafka. No meio de uma noite gelada, um médico é chamado para cuidar de um doente, mas ele não tem um cavalo para transportá-lo. Um homem misterioso surge de um chiqueiro e oferece dois belos cavalos, que o médico aceita, partindo rumo a uma viagem cheia de acontecimentos estranhos. Nunca li o conto do Kafka e não sei o quanto a leitura me ajudaria a compreender a história, que é um tanto confusa e surrealista. A arte é incrível e combina perfeitamente com o clima de estranhamento do filme.
Nota: 3,75

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Randomicidades do mês: agosto/2017

Agosto foi um mês bem movimentado em questão de leituras, filmes e séries, então vou dividir o post em duas partes. Primeiro vamos às leituras.

Livros lidos
 

Miramar - Naguib Mahfouz
Nota: 3


Coisa de louco - John O'Farrell
Alice e David são pais super-zelosos que fazem de tudo pelo bem de seus filhos, chegando ao ponto de fazer uma prova pela filha mais velha para garantir que ela passe no exame de admissão de uma escola de elite. Todas as pessoas com quem convivem fazem parte da mesma bolha rica, competitiva e preocupada em excesso com os filhos. O livro é uma sátira a esse tipo de comportamento e é bastante divertido em seus exageros.
Nota: 3


Vulgo Grace - Margaret Atwood
A partir de um caso real, a autora conta a história de Grace Marks, uma criada condenada à prisão perpétua por ajudar a assassinar o patrão e a governanta. Alguns anos após o crime, muitas pessoas acreditam na inocência dela, e um médico tenta investigar e compreender quem realmente é Grace. Achei o livro um pouco cansativo em alguns momentos, mas gostei bastante da construção dos personagens e do estilo da narrativa.
Nota: 3,75


Kenshin Kaden - Nobuhiro Watsuki
Livro com entrevistas, curiosidades, fichas dos personagens etc. sobre o mangá Rurouni Kenshin (meu mangá favorito da vida). Ele tem um material bem interessante, mas preferiria que trouxesse mais coisas novas e não se ocupasse tanto do resumo da história, que ocupa cerca de metade do livro.
Nota: 3


Botchan - Natsume Soseki
Um jovem professor novato chega a uma cidadezinha para lecionar matemática na escola local. Desacostumado com o mundo conservador e sufocante de uma cidade pequena, impulsivo, arrogante e inexperiente, ele tem dificuldade em se adaptar ao local, principalmente ao lidar com os alunos bagunceiros e desrespeitosos e com os colegas manipuladores. É um livro leve e divertido. Não leia esperando uma obra muito profunda.
Nota: 4


Stealing Heaven - Elizabeth Scott
Danielle é uma jovem que foi treinada desde pequena para ser uma ladra. Ela e a mãe se especializaram em roubar prataria de casas de ricos e vivem viajando de um canto para outro à procura da próxima vítima. O problema é que Danielle não gosta disso, mas não tem coragem de contrariar a mãe, que é a única família que ela tem. Ao chegarem a Heaven, uma pequena cidade litorânea, ela sente mais do que nunca que gostaria de ter uma vida normal. Gostei da premissa do livro, dos personagens e do estilo gostoso de ler. O final não me pareceu muito convincente.
Nota: 3


A brincadeira favorita - Leonard Cohen
Romance de formação com toques autobiográficos sobre um jovem judeu de Montreal. Escrito em capítulos curtos que se asemelham a pequenos contos poéticos, o livro narra sua obsessão por mulheres e sexo, o relacionamento com os pais e com o melhor amigo. O protagonista é um personagem um tanto detestável e sua história de vida me parece um pouco genérica, mas isso não me incomodou muito.
Nota: 3,5


Objetos cortantes - Gillian Flynn
Camille é uma repórter de um jornal não muito importante em Chigago. Seu chefe a encarregou de uma tarefa: escrever sobre o desaparecimento de uma menina em sua cidade natal, que pode estar relacionado com o assassinato de outra garota no passado. Camille então volta à cidade e à família da qual queria distância. Escolhi ler esse livro porque estava com vontade de ler um thriller bem envolvente, desses que não dá vontade de largar, e felizmente ele correspondeu às minhas expectativas.
Nota: 4


Hotel Íris - Yoko Ogawa
O livro narra o relacionamento pouco usual entre uma jovem de 17 anos e um tradutor idoso. Mari está sempre trabalhando no hotel da família sob os olhos atentos da mãe e raramente tem tempo para si. Ao conhecer o tradutor, ela fica estranhamente fascinada pelo sujeito misterioso, e os dois mergulham em um relacionamento intenso. O livro é um tanto estranho e o relacionamento entre os protagonistas, um pouco mais perturbador do que eu estava esperando. Apesar disso, foi uma boa leitura.
Nota: 3

Quadrinhos


Fullmetal Alchemist - Hiromu Arakawa
Esse é um dos mangás mais famosos e elogiados por aí, o que pode ter me deixado com expectativas altas demais e feito eu me decepcionar um pouquinho. Ele narra as aventuras de dois irmãos que aprenderam alquimia para trazer a mãe de volta à vida, um grande tabu no mundo deles. A tentativa deles não dá certo: como consequência, um deles perde um braço e uma perna e o outro perde o corpo inteiro, tendo sua alma transplantada para uma enorme armadura. Os irmãos então partem em busca da pedra filosofal, que lhes dará poder para recuperar seus corpos originais, e acabam se envolvendo em mistérios muito maiores. O mangá apresenta personagens carismáticos, uma história interessante e coesa com alguma profundidade, um bom ritmo e um final bem redondinho. Ele é bom, mas não foi tudo o que eu esperava.
Nota: 3,75


A sakabatou de Yahiko - Nobuhiro Watsuki
História curtinha protagonizada pelo Yahiko alguns anos depois do fim da história original do mangá Rurouni Kenshin. Nela, Yahiko vai passar um tempo em um dojo de um conhecido da Kaoru e se envolve em um incidente. Sem Kenshin por perto, cabe a ele salvar o dia. É uma história simpática, boa para a fã nostálgica que eu sou.
Nota: 3,5

Aquisições


Eu estava meio por fora dos lançamentos de mangás, então, quando vi que A cidade da luz já tinha sido lançado, fui logo comprar. Aproveitei para levar também Joe Speedboat, que estava baratinho. A sakabatou de Yahiko é o mangá que faltava na minha coleção de Rurouni Kenshin.


Essas foram as compras da minha irmã. Estou muito curiosa a respeito de A Little Life. Essa capa de The Dispossessed é feia, né?

É isso. Depois eu posto sobre os filmes e cia.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Livro: Miramar

Título: Miramar
Autor: Naguib Mahfuz
Tradução: Safa Abou Chahla Jubran
Editora: Berlendis & Vertecchia Editores

Nos anos 60, na cidade de Alexandria, no Egito, cinco homens se hospedam na pensão Miramar, que no passado foi gloriosa, mas cujo brilho se perdeu após a revolução. Com idades, personalidades e objetivos bastante diferentes, eles passam a conviver nesse ambiente. A presença de Zohra, uma bela camponesa que trabalha como criada na pensão, desperta a cobiça de alguns e gera tensão entre os hóspedes.

Cada capítulo é narrado por um dos personagens, que conta a sua vida e apresenta sua visão sobre os acontecimentos na pensão. Temos um ex-jornalista idoso, um jovem proprietário de terras, um locutor introvertido e um contador metido em negócios arriscados, mas a personagem mais interessante é Zohra, uma jovem decidida que foi trabalhar na pensão após fugir de um casamento forçado. É em torno dela que a maioria dos acontecimentos gira. 

A alternância de focos narrativos é sempre um recurso interessante. Aqui, ela nos permite vislumbrar o passado dos personagens, bastante marcado pela revolução de 1952, e o ponto de vista de cada um sobre o que acontece durante a estadia deles na pensão, das conversas despreocupadas em datas comemorativas a brigas no meio da noite. Por outro lado, alguns dos acontecimentos não são tão interessantes assim para merecer quatro relatos diferentes sobre eles, algumas vezes sem muita variação.

No início, fiquei um pouco perdida em meio às referências históricas do livro. Não sei quase nada sobre o Egito e, principalmente no começo da narrativa, nomes e fatos históricos são bastante citados. Porém, aos poucos me acostumei e me deixei envolver pela história.

O livro me surpreendeu com o estilo narrativo e com uma história mais cheia de acontecimentos e mistério do que eu esperava, mas não me conquistou totalmente, talvez porque achei a maioria dos personagens chata e por ter ficado meio perdida no contexto histórico.

Livro lido para o desafio Volta ao Mundo em 80 Livros, representando o Egito.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Randomicidades do mês: julho/2017

Julho foi um mês arrastado. Olhando para as leituras que fiz no comecinho do mês, fiquei bem surpresa ao constatar que elas foram feitas em julho mesmo e não um ou dois meses antes. Consegui terminar alguns animes e comecei a assistir um monte de coisas, mas, em questão de filmes, foi fraco. (Como sempre estou dividida entre a vontade de ver filmes e a preguiça que bate na hora.)

Livros lidos


História da menina perdida - Elena Ferrante
Último livro da série napolitana e o meu segundo favorito da tetralogia. Apesar de achar algumas partes da história meio arrastadas, minha opinião final dos livros é muito positiva.
Nota: 4,25


Confissões de uma máscara - Yukio Mishima
O livro discorre sobre a homossexualidade do protagonista, sua atração por homens desde que era criança (e sua fascinação por cenas sanguinolentas), sua inadequação diante dos outros e sua tentativa de um romance com uma mulher. Foi uma experiência interessante, principalmente levando em conta que não costumo ler muitos livros com protagonistas gays.
Nota: 3,25


Meus documentos - Alejandro Zambra
Livro de contos interessantes e bem gostosos de ler, mas que não me provocaram muito impacto. (ok, não vou me esquecer do Pai Nosso cantado no ritmo de Sound of Silence).
Nota: 4


A última tragédia - Abdulai Sila
Lido para o Desafio Volta ao Mundo em 80 Livros, representando a Guiné-Bissau. O livro aborda o colonialismo através de três personagens: uma jovem que vai trabalhar como criada em casa de brancos, um líder local cheio de ideias que deseja mostrar quem manda e se impor diante dos brancos, e um professor gentil que se formou em um projeto criado pelos brancos para educar a população local. Foi interessante conhecer um pouco sobre a Guiné-Bissau, mas achei o livro um tanto parecido com outros sobre o colonialismo na África.
Nota: 3,5


The Grown Up - Gillian Flynn
Conto sobre uma mulher que trabalha como vidente e decide faturar uma grana ajudando uma cliente a se livrar da aura tenebrosa que cerca a mansão da família e afeta o enteado adolescente. Fui ler o conto sem saber nada sobre ele e não estava esperando o clima de terror, que me agradou. O que me desagradou foi o final cheio de explicações, que não se encaixou com naturalidade na narrativa.
Nota: 3,5


Much Ado About Nothing - William Shakespeare
Comédia sobre dois casais. Um deles se apaixona à primeira vista e logo marca o casamento, mas sofre com forças externas que tentam impedir a união. O outro é formado por duas pessoas que desprezam o amor e o casamento e vivem zombando um do outro, mas se apaixonam gradualmente. Até que achei divertido.
Nota: 3,25


Um útero é do tamanho de um punho - Angélica Freitas
Olha eu lendo um livro de poesia! Na verdade, só li porque a minha irmã pediu para eu pegar na biblioteca para ela. Os poemas são bastante contemporâneos e irreverentes e têm como tema a mulher. Gostei bastante de uns, não gostei/entendi outros.
Nota: 3


O xará - Jhumpa Lahiri
Romance de formação sobre um indo-americano de nome peculiar, Gógol Ganguli, que se sente dividido entre a cultura dos Estados Unidos, onde nasceu e cresceu, e a indiana, dos pais, a qual no início rejeita. Acompanhamos a dificuldade dos pais de Gógol de se adaptar a um novo país, a consternação do protagonista diante do seu nome incomum e sua tentativa de se afastar de suas origens.
Nota: 4


Nada a dizer - Elvira Vigna
Faz bastante tempo que tenho curiosidade em ler algo da autora, mas foi só quando ela morreu que me senti motivada a finalmente ler, porque sou assim. O enredo do livro é um tanto banal: um casal tenta lidar com a traição por parte do homem. Pelo ponto de vista da mulher, que revisita os acontecimentos, vemos com detalhes o relacionamento entre os dois e as turbulências provocadas pela traição.
Nota: 3,75

Quadrinhos


The God's Lie - Kaori Ozaki
Mangá sobre a amizade entre um menino e uma menina que esconde um grande segredo. É bonitinho e melancólico. Não gostei muito dos personagens em si, mas adorei a forma como eles interagem.
Nota: 3,75


Repeteco - Bryan Lee O'Malley
Depois de um dia ruim, Katie ganha a chance de corrigir seus erros. Ao anotar seu erro em um bloquinho e comer um cogumelo, ela ganha o poder de mudar o passado. E é claro que em certo momento isso dá errado. Gostei muito da arte, dos personagens e de todo o ambiente do restaurante Repeteco.
Nota: 4

Animes/séries


Kuuchuu Buranko
Em cada episódio, o doutor Irabu recebe um paciente diferente. Um jogador de beisebol que não consegue mais arremessar a bola direito, um jovem viciado no celular e um gangster com medo de objetos pontudos são algumas das pessoas que passam pelo consultório. Com sua personalidade amalucada, fascinação por injeções e métodos pouco ortodoxos, o psiquiatra ajuda os pacientes a lidar com seus problemas. A arte do anime é um espetáculo à parte, com cenários coloridões e mistura de animação com live-action, dando um ar psicodélico à obra. Em meio a um oceano de animes com histórias e arte semelhantes, esse aqui com certeza se destaca.
Nota: 4


Code Geass: Hangyaku no Lelouch
Esse anime é uma bagunça muito viciante. Nele, acompanhamos o jovem Lelouch, um príncipe exilado que ganhou o poder de controlar as pessoas, o Geass. Com esse poder nas mãos, além de sua grande inteligência, Lelouch põe em ação um plano para derrubar o império da Britannia, unindo-se a um grupo de terroristas que pretende recuperar o Japão. No início, a história me lembrou bastante Death Note, pois o protagonista é um estrategista e recebe um poder enorme que dá origem a planos grandiosos, com consequências cada vez mais graves. Porém, Code Geass é bem mais exagerado, com plot twist seguido de plot twist (nem sempre muito verossímeis). Em questão de entretenimento não tenho muito o que reclamar, devorei os cinquenta episódios em pouco tempo, apesar de uma segunda temporada meio morna. Agora, se for para avaliar mais criticamente, acho que o anime tenta misturar gêneros e nem sempre dá certo e traz ideias demais sem se aprofundar muito em nada.
Nota: 3,75 (1ª temporada) e 3 (2ª temporada)


Tabi Machi Late Show
Anime de apenas quatro episódios curtos sobre despedidas. As histórias são simples e agradáveis, e tratam de personagens como um aspirante a chef que parte para estudar no exterior ou uma professora que vai se aposentar. Destaque para o terceiro episódio, sobre uma menina contente por rever o amigo no festival de verão.
Nota: 3,5

Comecei a ver: Chouyaku Hyakuninisshu: Uta Koi., Mozart in the Jungle (2ª temporada), Yami Shibai, Paradise Kiss.

Filme


Doukyuusei (2016)
Animação sobre dois estudantes bem diferentes um do outro que se aproximam por acaso e acabam se apaixonando. Não sou muito fã de romance, mas achei o filme bem fofo. Adorei a arte.
Nota: 4
Curta


Father and Daughter (2000)
Curta de Michaël Dudok de Wit, mesmo diretor de A tartaruga vermelha. Um pai se despede da filha ainda criança e parte de barco. O tempo passa, e a filha continua voltando sempre ao local da despedida, na esperança de rever o pai.
Nota: 4

Aquisição


Só comprei um livro. Depois de gostar muitíssimo de Só para fumantes, fiquei com vontade de conhecer mais da obra do Julio Ramón Ribeyro, então comprei esse livrinho.

E foi isso. O que você fez de interessante em julho?

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Randomicidades do mês: junho/2017 (parte 2)

Demorei mais do que esperava para postar a segunda parte das randomicidades de junho, mas pelo menos postei. :P

Animes/séries

Terminei dois animes que estava vendo faz bastante tempo e um anime curtinho. Comecei a ver um montão de coisa.


NieA Under 7
Anime sobre uma estudante pobretona que vive em uma casa de banhos acompanhada por uma extraterrestre parasita (não do tipo que invade o seu corpo, mas do tipo que vive do seu dinheiro e come a sua comida). Poderia ser uma ficção científica muito louca sobre aliens, mas é um anime slice of life tranquilão misturado com comédia. O tipo de humor exagerado não me agradou muito, mas os momentos calmos e mais reflexivos são muito bons. Apesar disso, achei o anime meio arrastado em vários momentos.
Nota: 3,25


Sailor Moon Crystal
Demorei séculos para terminar esse anime, em parte porque estava assistindo com a minha irmã, então não conseguia assistir com tanta frequência, e em parte porque achei a série bem ruinzinha. Claro, assistir raramente só piorou as coisas, porque eu esquecia toda a história e no final não estava dando a mínima para o que estava acontecendo. Acho que o que eu mais gostava na série clássica era o humor meio bobo e o cotidiano das personagens. O remake tem uma narrativa bem mais enxuta, focada na ação, que é bem o que menos gosto em Sailor Moon. Ou seja, achei uma chatice. E a arte feiosa não ajudou nada (ou ajudou, porque ri muito de algumas cenas mal desenhadas/animadas). Ainda assim, pretendo assistir a segunda temporada um dia, porque as outras Sailors darão o ar da graça.
Nota: 2,5


Fudanshi Koukou Seikatsu
Anime curtinho sobre um fudanshi, homem que curte mangás yaoi (mangás gays voltados para o público feminino). Como é um hobby incomum entre homens, ele passa por situações constrangedoras e engraçadas enquanto lida com seus amigos, shippa pessoas reais, fica amigo da coleguinha fujoshi, vai na loja comprar seus mangás etc. Não é grande coisa e imagino que perdi muitas piadas por falta de referência, mas é divertidinho.
Nota: 3

Comecei a assistir: Master of None (2ª temporada), Code Geass, Hoozuki no Reitetsu, Tabi Machi Late Show

Filmes


A bruxa (2015)
Não gosto muito de filmes de terror, mas atualmente vários estão sendo bem elogiados por aí, o que sempre desperta minha curiosidade. A bruxa mostra uma família muito religiosa que vive isolada no meio da floresta, nos EUA do século 17. Quando o bebê desaparece, todos passam a suspeitar da filha mais velha e a acusá-la de bruxaria. Eu esperava mais do filme. Gostei do clima de tensão, mas achei a história meio arrastada e não gostei tanto do final. Alguns personagens me irritaram muito, mas imagino que isso seja proposital.
Nota: 3,25


A comunidade (2016)
Gosto muito de A caça e Festa de família, então estava com expectativas bem altas a respeito de A comunidade, do mesmo diretor. Porém me decepcionei um pouco. O filme trata de um casal que herda uma casa e decide transformá-la em uma comunidade, convidando amigos e desconhecidos para viver sob o mesmo teto. No entanto, logo surgem atritos, e o casal enfrenta dificuldades em seu relacionamento. É um filme mais leve do que os outros que vi do diretor (talvez seja por isso que me decepcionei, não sei).
Nota: 3,5

Curtas


Elégia - Huszárik Zoltán (1965)
Curta bastante impactante sobre cavalos. Mostra os animais em sua história junto ao homem: da liberdade nos campos ao maltrato durante o trabalho nas ruas, participação nas guerras, abate para alimentação. Não tem falas, e a música é bastante incômoda.
Nota: 3,5


Ame to Shoujo to Watashi no Tegami (2015)
Curta de animação sobre uma menina que sonha em ser escritora e escreve uma carta para o menino de quem gosta. Assisti ao filme porque ele apareceu como sugestão aleatória em um site. Pelo que li, esse curta foi feito por um amador e, levando isso em consideração, até que ele fez um bom trabalho. O filme tem um clima meio Makoto Shinkai que não me agrada tanto, mas os cenários são interessantes e a história é bonitinha.
Nota: 2,75


Balance (1989)
Um grupo vive sobre uma plataforma equilibrada sobre o nada. Quando uma pessoa precisa se deslocar, todas as outras se reorganizam harmonicamente para manter o equilíbrio. Até que um deles pesca uma caixa estranha que aguça a curiosidade de todos. O filme parte de uma premissa estranha, e ao mesmo tempo simples, para construir uma história envolvente e profunda sobre a vida em sociedade. Adorei esse curta!
Nota: 4,25

Aquisições


Minha irmã pegou esse livro em uma troca. Não sei muito sobre ele, mas parece ser bom. ;)


Esses foram os presentinhos da Lulu, do blog Lulunettes. Adorei os livros e o caderninho fofo. Muito obrigada, Lulu! :3